Transcrição: Veras fala sobre a Campanha da Fraternidade, que trouxe como tema deste ano a questão do saneamento básico

 Sessão Ordinária de 23 de março de 2016

TRANSCRIÇÃO

DEPUTADO PROF. REGINALDO VERAS (PDT. Para breve comunicação. Sem revisão do orador.) Boa tarde, Sra. Presidente, boa tarde a todos os estudantes ceilandenses aqui presentes, do Centro de Ensino Fundamental nº 11 de Ceilândia. Sou professor do Centro Educacional nº 11, também em Ceilândia. Sejam muito bem-vindos a esta Casa de Leis. Aproveitando que vocês são estudantes do ensino fundamental, vamos brincar de ser professor. O nosso tema de hoje é um tema ambiental relacionado a um tema social.

A Campanha da Fraternidade, uma campanha ecumênica, liderada pela Igreja Católica, pela CNBB, trouxe como tema deste ano a questão do saneamento básico, que vai além da questão social – e é também uma questão ambiental –, ganhando maior espaço ontem, que foi o Dia Mundial da Água.

As notícias para o Distrito Federal não são nada boas. Entre as capitais, o Distrito Federal foi a que teve a maior queda no que se refere à cobertura do saneamento básico, entendido aqui como água tratada, rede e coleta de esgoto. Nós, que tínhamos uma cobertura de 93%, caímos para 82%. E o que explica isso? A proliferação de condomínios e ocupações irregulares somados à ausência do Estado.

As crianças que estão ali têm de entender que não haver saneamento básico é um problema de saúde. Saibam as crianças que o maior responsável pelos ainda altos índices de mortalidade infantil no Brasil é a diarreia. As crianças morrem desidratadas em virtude da diarreia resultante do consumo de água não tratada. E nós continuamos jogando o nosso esgoto in natura – desculpe-me a expressão que vou usar, Sra. Presidente –, ou seja, nós jogamos o esgoto com merda dentro dos rios, os mesmos rios que irão abastecer as nossas casas.

Qualquer país que queira ser reconhecido como país plenamente desenvolvido tem de investir em saneamento básico, o que muitas vezes é mais importante até mesmo do que investir em educação. Quando não se investe em saneamento básico, mata-se na primeira infância; e se matar a criança na primeira infância, sequer permite-se que ela tenha acesso a educação.

Fica aqui o recado para os nossos governantes. Aconselho a todos lerem o texto base da Campanha da Fraternidade Ecumênica, leitura rápida, mas muito instrutiva e muito informativa.

Sra. Presidente, as crianças estão ali. Não esqueçam, meninos: saneamento básico também é uma questão de educação ambiental e depende da ajuda de todos nós.

Muito obrigado.

 

Curta, compartilha, participe!